Vote em Rodrigo no PIPA online!

Além de ser finalista do prêmio Pipa 2012, o artista Rodrigo Braga está concorrendo também ao PIPA Online.

A premiação acontece assim: o público curte na página do artista aqui, e no fim do período estabelecido o artista mais votado receberá R$10 mil reais.

O número mínimo de votos para o artista concorrer é de 100 curtidas, a primeira fase vai até dia 2 de setembro, vamos curtir!

 

 

 

José Rufino no Paço das Artes

O Paço das Artes em São Paulo recebe o artista José Rufino e o crítico Marcelo Campos para um debate sobre o projeto Metrô de superfície com mediação de Bitu Cassundé.

O evento que integra o cronograma de eventos complementares à mostra, Metrô de superfície, ocorre no dia 27 de Agosto é gratuito e aberto ao público.

A mostra segue até dia 13 de Setembro e também conta com os artistas Juliana Notari, Cristiano LenhardtRodrigo Braga entre outros.

 

Mais informações:

Quando: Dia 27 de Agosto, segunda-feira, às 19h.

Endereço: Paço das Artes,  Av. da Universidade 1, Cidade Universitária
São Paulo – SP

Contatos:  11 3814 4832 | educativo@pacodasartes.org.br

From the Margin to the Edge

Pra quem está em terras londrinas segue uma dica muito interessante:

Abre para visitação em 21 de julho a exposição “From the Margin to the Edge”, uma coletiva de artistas e designers brasileiros selecionados durante a última década. Entre eles estão Alex Flemming e Rodrigo Braga, membros do casting da Amparo . A exposição conta com 30 patrocinadores e almeja ser uma profunda mostra da cultura visual no período contemporâneo brasileiro.

Para quem não está por lá, segue o Pinterest da exposição que promete mostrar tudo que rola de mais legal na exposição: http://pinterest.com/ftme/

Mais detalhes abaixo:

From the Margin to the Edge
Local: Somerset House, Londres
Período: 20 de julho a 09 de setembro

 

 

Rodrigo Braga entre os 4 finalistas do Prêmio PIPA

Na última semana tivemos a ótima notícia de que Rodrigo Braga, foi selecionado entre muitos artistas para disputar com outros 3 finalistas o prêmio PIPA.

O prêmio que surgiu da parceria entre o Investidor Profissional Gestão de Recursos e o MAM – RJ começou pretensioso, a  intenção foi criar o prêmio mais importante das artes visuais no Brasil. O objetivo do prêmio é consagrar artistas que vem se destacando por seus trabalhos e a premiação funciona assim:

Vencedor do PIPA = R$100.000 (parte deste valor é utilizado para financiar uma residência artística internacional)
Vencedor do Voto Popular = R$ 20.000
Vencedores do PIPA Online = R$ 10.000 para o 1º lugar; R$ 5.000 para o 2º lugar

Antes da premiação os 4 finalistas serão contemplados com uma exposição no MAM-RJ entre os meses de outubro e dezembro de 2012.

Esperamos a visita de todos à exposição e contamos com vocês para que Rodrigo saia vencedor também do voto popular.

Abaixo segue o vídeo de Luiz Camilo Osório anunciando os finalistas:

 

 

 

 

 

 

Paisagens | Rodrigo Braga

Artistas de títulos herméticos (Fantasia de compensação, 2004; Da alegoria perecível, 2005), Rodrigo Braga intriga na presente exposição a partir do título – Paisagens. O nome singelo de sua mostra individual na galeria Amparo 60 mascara uma intervenção ostensiva na paisagem que o artista retrata; de uma erosão em um barranco, brotam frutas e legumes em abundância; em uma queda-d’água, camuflado entre as pedras, estende-se um couro de boi; no meio de uma mata fechada, pendendo de uma samambaia, um pequeno cardume se insinua; do caule de uma árvore, desprende-se uma serra dentada, meio bicho, meio máquina.

Assim como a arte conceitual tornou toda a arte, retroativamente, puro conceito e assim como, do mesmo modo, a pintura abstrata transformou, retrospectivamente, toda a história da pintura em uma história da abstração, também a fotografia digital lançou luz sobre os procedimentos fotográficos, convertendo-os em uma constante construção. Se toda representação da natureza na arte, ou seja, toda paisagem (pictórica, fotográfica, etc.) puder ser considerada, hoje, conceitual e abstratamente, isto é, como uma construção, então a série de fotografias que Rodrigo Braga nos apresenta não deveria surpreender pelo caráter fabricado das paisagens que temos diante de nós.

Entretanto, uma vez que as discussões da arte não são incorporadas, necessariamente, pelo meio cultura – por vezes, nem mesmo pelo meio artístico; vejam-se, por exemplo, os discursos contra a figuração na pintura -, e considerando que a apreensão da fotografia segue ligada a uma fé cega na fixação do real, as imagens da exposição tendem, sim, a surpreender. O que teria acontecido para brotarem peixes da terra de Fato? Qual estranho magma faria eclodir do seio da terra centenas de ovos na obra Homônima? Esses acontecimentos bizarros que o olhar tenta desvendar pressupõem uma ação do artista, uma performance que, desta vez, permanece escondida;

Do corpo à paisagem, a trajetória de Rodrigo Braga se confunde com as discussões mais acaloradas em torno das mutações biogenéticas possibilitadas pela revolução tecnológica: Um cyborg dotado de pulsões caninas em um ambiente suspenso em suas determinações naturais pela inserção e um corpo estranho surgem, nas pesquisas do artista, em inegável sintonia com o espírito de nossos tempos. Mas por que paisagem? E por que agora? O artista responde com sua própria produção anterior: a comunhão com a natureza, com o lado mais primordialmente animal do homem o levou a uma comunhão também com o ambiente onde se davam suas performances mediadas pela fotografia.

Uma  dessas performances, intitulada Leito, integra a exposição, fazendo lembrar de homem e animais são parte incontornável de qualquer ideia de “paisagem”. A série de fotografias preto-e-brancas, organizadas em um slideshow, mostra a interação com o cadáver de um porco; entretanto, tudo se passa em um tom rebaixado, dentro de uma caída, sussurrando, sugerindo que a etapa de mitologias pessoais ritualizadas pode estar dando lugar à alegorização de fantasias de compensação coletivas na produção do artista. A paisagem construída que o olhar teima em não enxergar comprova o alcance dessa nova empreitada de Rodrigo Braga.

Texto: Juliana MonachesiPa

Terça a sexta: 10 às 19h
Sábado: 11 às 17h

+55 81 3033.6060

vendas@amparo60.com.br

Rua Artur Muniz, nº 82, 1º andar, salas 13 e 14 (Entrada pelo restaurante Alphaiate)
Boa Viagem | Recife | Pernambuco