Exposição “Para Nunca Mais Me Esquecer” de José Paulo entre as melhores exposições do Rio de Janeiro.

A Veja Rio, ou vejinha, que acompanha o exemplar semanal da revista em terras fluminenses, trouxe na última semana o ranking com as melhores exposições em cartaz na cidade.

Entre as 10 está a exposição “Para Nunca Mais Me Esquecer” de José Paulo, artista Pernambucano que explora questões como memória, rotulação e permanência. A exposição que conta com a Curadoria de Marcelo  Campos fica até o dia 5 de Agosto de terça a domingo no Paço Imperial, na Praça XV centro do Rio de Janeiro.

Além da mostra individual está no ranking também a exposição “Espelho Refletido” que conta com a participação de José Paulo, José Rufino e Rodrigo Braga, integrantes do casting da Amparo 60, esta segue em exposição até o dia 29 de julho no Centro Cultural Hélio Oticica, Rua Luís de Camões, 68 centro do Rio, de terça a sexta.

vejinha

Retratos e Auto-retratos | José Paulo

Nesta quarta (07.10), a partir das 20h, a galeria Amparo 60 apresenta a mostra Retratos e Auto-retratos, de José Paulo. Trata-se de um novo momento de pesquisa do artista, no qual os usuais objetos e esculturas que permeiam sua poética, cederam espaço a uma preocupação pictórica que encontra solução de familiares e amigos de José Pauloo, e também dele próprio, através de imagens ampliadas de envelopes dos remédios consumidos por essas pessoas.

Dentro de Retratos e Auto-retratos,José Paulo empreende uma busca artística de retorno à pintura. Porém, ao invés de usar essa linguagem para retomar  a discussão, ele preferiu buscar elementos pictóricos na fotografia. O artista procura trabalhar em questões formais – luz e sombra, cheios e vazios, variações cromáticas e composições – dentro das imagens dos comprimidos e de medicações. Ou seja, as imagens são transformadas dentro do discurso da pintura. O objetivo é explorar a visualidade do objeto em sua composição real, é provocar uma transfiguração dos remédios para a pintura, buscando, pela ampliação, perceber os conteúdos pictóricos neles existentes.

Assim, a pintura torna-se o fio condutor que conceitua toda a mostra. Para José Paulo, além da busca pela pictorialidade, os remédios ainda representam uma outra discussão que o artista levanta sobre a pintura, a da dimensão da representação e do retratar. Houve a preocupação do artista em fotografar os remédios do jeito que foram disponibilizados pelos convidados. Há, então, fotos amassadas, outras, ainda, com comprimidos pela metade. Essa forma de tratar as imagens revela a preocupação por representação biográfica,  por retratamento dos personagens envolvidos. Haverá na mostra, também, toda uma parte reservada aos remédios consumidos por José Paulo, onde entra a dimensão do auto-retrato. O rastro biográfico deixado pelos usuários dos medicamentos interessa enquanto material poético. É a partir daí que a dimensão do retrato opera, quando a obra irá mostrar as particularidades dos personagens, suas esferas privadas, através do que (e de como) consomem.

Haverá, ainda, imagens de pílulas isoladas, espécie de estudos -esboços- dos retratos (que são as cartelas de remédios), segundo os artistas. Essas imagens fascinaram pela riqueza das texturas, das sombras e dos detalhes, visíveis com a ampliação. Os comprimidos se dividem entre os banais – os evidentes enquanto comprimidos – e os mais complexos visualmente, que podem remeter  à várias outras imagens. O artista preserva as marcas deixadas pelos usuários nos mesmos; impressões digitais, falhas, tudo tornou-se motivo de observação pictórica nas pílulas. Para José Paulo, Retraros e Auto-retratos é um discurso plástico dos medicamentos. A mostra nasceu de sua necessidade de experimentação plástica e, por todo o percurso dos trabalhos, fica evidente sua tentativa de quebrar o formato original do objeto, transformando-o, transfigurando-o para revelar toda a pictorialidade existente em uma simples cartela de comprimidos.


Terça a sexta: 10 às 19h
Sábado: 11 às 17h

+55 81 3033.6060

vendas@amparo60.com.br

Rua Artur Muniz, nº 82, 1º andar, salas 13 e 14 (Entrada pelo restaurante Alphaiate)
Boa Viagem | Recife | Pernambuco