Animattack – Bruno Vilela

convite Animattack

convite Animattack

 

Abertura 24 de setembro de 2014, às 19h
Visitação de 25 de setembro a 30 de outubro de 2014.
Segunda a sexta, das 9 às 18h.
Sábados das 10 às 14h (Com agendamento prévio)
Incentivo: Funcultura | Fundarpe | Secretaria de Cultura | Governo do Estado

 

Bruno Vilela – Animattack

A mitologia de Bruno Vilela na Amparo 60 

A partir do próximo dia 24, a Amparo 60 vai receber a exposição Animattack, do artista Bruno Vilela. A mostra, que tem curadoria de Moacir dos Anjos e é a segunda do artista na galeria, é composta por 15 desenhos e 1 pintura, inéditos no Recife, realizados pelo artista entre 2012 e 2014. Na abertura, será lançado o livro homônimo, que traz o registro de estudos e obras da série, com um texto do curador.

Esses novos trabalhos se relacionam de várias maneiras com a produção anterior do artista, seja pela técnica, o uso do pastel seco (que fica na fronteira entre o desenho e a pintura) e do papel, pelos desdobramentos dos seus estudos de anatomia perceptíveis na presença da figura humana, ou mesmo nas referências místicas, orientais e nos estudos do inconsciente no campo da psicologia e psicanálise, desenvolvidos por Bruno Vilela.

O título da exposição, Animattack, é uma palavra criada da fusão de duas outras: Anima e Attack. O artista teve como fonte a definição do termo Anima, proposta por Carl Jung, que a percebe como uma espécie de Deusa, uma metáfora para esse espírito que representa o inconsciente masculino. Através desse olhar, se resgatam as figuras da Grande Mãe,  da Feiticeira, da Bruxa, da Santa, presentes em centenas de civilizações, há milênios, nas mais diversas religiões.

Essa entidade surge como guia, como um espírito que orienta o guerreiro na floresta, ou como uma bruxa assustadora, o símbolo da mulher amada e da mãe da infância perdida. “Sempre que aparece, envolta em fumaça, como espectro, sombra, traz muito medo, pavor, pânico ao homem, que logo foge dela. É o lado selvagem, feminino, místico da alma masculina. Por isso o attack, o pânico”, explica.

Segundo ele, pânico vem de PAN, figura mítica grega que surge no caminho do homem que tenta mudar, aprofundar, cruzar o vale secreto do inconsciente. “É preciso vencer PAN e a Anima funciona como guia, como Hermes, Exu e Mercúrio. É sacerdotisa, oráculo, o primeiro ancestral, o sentido da vida”, detalha.

Nessa exposição de desenhos, os tons de turquesa, a áurea mítica, a luz espiritual, remetem ao movimento dos Orientalistas que surgiu na pintura no século XVII, através de nomes como Delacroix, Ingres e Moreux. As cores dos filmes coloridos na técnica do Technicolor, como Narciso Negro (1947), O ladrão de Bagda (1940), entre outros, são ligações estéticas de interesse para quem quiser aprofundaro entendimento dessas obras.

 

Para Bruno Vilela, a ideia central para compreender seu trabalho é mitologia pessoal. “Temos medo do desconhecido. O que é recorrente no meu trabalho é a busca pelo desconhecido, pelo aprofundamento das questões do inconsciente, os estudos das mitologias antigas dos povos, perdidas e esquecidas. É o oposto do sombrio. Sombrio é a visão de dentro da caverna, da zona de conforto. Eu quero olhar “lá fora”, longe da sombra, do sombrio. A visão do “outro lado”, das profundezas do inconsciente, guiada pela mitologia pessoal é um universo sem fim”, finaliza.

 

SERVIÇO

Abertura 24 de setembro de 2014, às 19h

Visitação de 25 de setembro a 30 de outubro de 2014.

Segunda a sexta das 9 às 19h.

Sábados das 10 às 14h (Com agendamento prévio)

Galeria Amparo 60

Av. Domingos Ferreira, 92 A

Boa Viagem, Recife – PE

+55 81 3033.6060

Terça a sexta: 10 às 19h
Sábado: 11 às 17h

+55 81 3033.6060

vendas@amparo60.com.br

Rua Artur Muniz, nº 82, 1º andar, salas 13 e 14 (Entrada pelo restaurante Alphaiate)
Boa Viagem | Recife | Pernambuco